Hoje conheci uma mãe que não deixa seu filho de 3 anos nem pronunciar a palavra: Pai. Disfarcei para não demonstrar o tamanho da minha indignação, ela falava com tamanha naturalidade e eu só pensava que essa mãe teria motivos fortes e que deveriam ser respeitados, afinal nenhuma mãe proíbe o relacionamento pai x filho a toa. Ao longo da conversa não me contive e acabei perguntando porque o filho não podia conhecer o pai e muito menos pronunciar a palavra pai.

Ela respondeu:

“ – ah! não gosto do pai do meu filho, ele foi sacana comigo quando me largou.”

Me contive mais ainda pra não dizer que uma sacanagem não tem nada haver com a outra. Proibir sem motivo a relação entre pai e filho é desgastante. Toda criança quer saber de onde vem, com quem se parece, quer saber a sua historia. Ninguém consegue ser feliz incompleto.

Ser mãe me fez ser menos resistente as mudanças, ser mãe me mostrou que é necessário se colocar no lugar do outro, principalmente se o outro for minha filha.

Aprendi a mudar de acordo com as necessidades que minha filha apresenta, nunca escondi o pai, dela. Sempre o mantive nas historias, nas fotos, nas recordações dela. Por um bom tempo minha filha não demonstrou o menor interesse pelo pai, não tinha a menor vontade de estar com ele, de falar nele, eu respeitei, mas sempre deixei portas e janelas abertas para que ela tivesse liberdade de falar o que quisesse e quando quisesse. E no dia que ela sentiu vontade de falar, ela falou e eu o procurei. Ela tem o numero de telefone dele já ligou uma vez, mas o irmão dele atendeu e ela não teve retorno, mas dou a liberdade a ela que deve ser dada, afinal ele é o pai dela. A leveza que ela trata esse assunto é confortante pra mim e pra ela. Raramente o pai tem disponibilidade pra ela mas as poucas vezes que ele se encontram ela se diverte e isso já vale a pena porque fica marcado nela.. É necessário engolir muitos sentimentos ruins pelo bem estar emocional de nossos filhos, afinal o que eu penso a respeito do pai da minha filha é um problema meu e não da minha filha; a cada encontro eu garimpo os meus melhores sentimentos, eu colaboro, eu equilibro a razão e a emoção, tenho bom senso e infelizmente as vezes ele não tem mas não deixo que isso atrapalhe o momento da minha filha.

E já manifestei o desejo de que ele passasse um pouco mais de tempo com ela, mas não posso obrigá-lo.

Mas poder encostar a cabeça no travesseiro e saber que eu fiz o melhor, pra ela e por ela faz com que meu sono tenha muito mais qualidade. Ser mãe solteira não é fácil, mas não é por isso que devemos nos entregar a todas as dificuldades, nós devemos é superá-las.

Leia também :

  • É perto do dia dos pais que uma mãe solteira mais sofre, ...

  • Enquanto mãe... Eu abro mão de sonhos, sentimentos e d ...

  • Dia dos pais é quase que um bicho papão para quem é mãe ...

Fernanda Ramalho

Mãe, Publicitaria, Acreana do pé rachado, Louca por fotografia, Mulher, Completa, especialista em limpar vomito e bumbum de nenem. Também sou ponto de referência. Sim "logo ali depois daquela gordinha" mas isso vai mudar coloquei o balão intragastrico dia 8 de Junho e em 7 meses eliminei 39 kilos mas ainda não atingi minha meta portanto continuo em pleno processo de emagrecimento e ainda no ano de 2011 irei para o segundo balão intragastrico.

 Leave a Reply

(requerido)

(requerido)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

   
© 2012 Brindo à vida Suffusion theme by Sayontan Sinha