escrever

Sempre escrevo para lembrar mas hoje quero escrever para esquecer….

Estou vivendo um estado de espirito que pouco combina comigo e uma indisposição emocional que nem de perto é possivel compreender. Meu emagrecimento e meu balão vao bem obrigada. O que não anda bem é a preocupação de daqui alguns dias ter que voltar a GYN para o retorno médico da minha filha. A cirurgia fez muito bem pra ela mas a cirurgia foi só começo do tratamento hoje ela é outra criança e a qualidade de vida dela melhorou MUITO mas ela continua sendo aquela criança que precisa de atenção especial. É remedinho com horario, eu preciso reconhecer quando é normal ou quando é uma queda imunologica. É cuidar do que ela pode e do que não pode comer, por exemplo ela não pode nem sonhar com peixe (e ela ama), alguns alimentos com traços de lactose dão alergia severa nela (febre, dor abdominal, urticaria,asma, sintomas respiratorios, diarreia e vomito) antes de consultar um especialista fora da minha cidade os medicos da emergencia diagnosticavam como virose, minha filha vivia com uma eterna virose e hoje ja sabemos o que ela tem e precisamos controlar.

No ultimo exame dela o IGE deu mais de 100 e o valor de referencia é 0,10 ou seja viver em alerta para o pior não acontecer e hoje sei lá por esquecimento MEU ela tomou um iogurte e passou super mal. (imagina a mãe de merda que eu me senti né? pois é) mas o mais estranho é que o Yakult não da alergia mas outros alimentos se transformam em veneno porque ela não tem anticorpos suficientes para neutralizar as toxinas.

Ela tem alergia a alguns alimentos, poeira, alguns animais, alguns tipos de tecido e etc…

As taxas de IgA, IgD, IgE, IgG e IgM dela são todas alteradas e são grandes alterações fora a hiperplaquetemia. Confesso que isso não tiraria tanto o meu sono se eu pudesse dar a condição adequada de tratamento pra ela sem ter que me deslocar da minha cidade mas a cada dois meses teremos que sair daqui para fazer exames e  além do desgaste fisico, emocional tem também o financeiro.

Ao mesmo tempo que quero e preciso voltar trabalhar fora porque os remedios custam caro e o tratamento idem eu me pergunto como vou conseguir isso tendo que viajar a cada dois meses? e quem vai acodir minha filha numa dessas emergencias que eu não estiver com ela???

Ela começou o tratamento logo após a cirurgia e já vejo que melhorou muito a dermatite atopica (inflamação da pele) praticamente sumiu.

Meu coração anda apertado com essa viagem, com o resultado dos exames, com a falta de dinheiro, com  o meu medo leia-se frescura de avião, com as aulas que a pequena perdeu e ainda não recuperou, com as aulas que ela ainda vai perder…

E hoje eu escrevo só pra tentar esquecer tudo que me aflinge porque motivos pra reclamar e chorar tenho muitos aliás todo mundo tem vários motivos pra isso mas o que faz a diferença é a forma de encarar os problemas e eu nunca vi choro resolver algo.

 

E olha não é reclamação não é aflição mesmo … E escrever me dá leveza e ao mesmo tempo força pra continuar seguindo em frente.

 

Filha,

Há um pouco mais de um mês você ficou muito doente, conseqüência de outros dodois que você teve ao longo da vida. Você sempre foi uma menina forte de saúde frágil e por isso mamãe largou tudo pra cuidar de você, pra te dar atenção e cuidar de você como você merece e precisa. Tem gente que não entende, mas sabe ainda bem que essa gente não tem filho com saúde frágil. Lembra de quantas vezes você estava ótima e eu pensava: Dessa vez ela ficou boa e derrepente você queimava em febre e lá se vinha mais uma infecção, internação, exames e eu chorava ao ver você ali tão pequena e sendo tão judiada. Ate o seu primeiro ano de vida você gozou de saúde plena, mas sabe-se lá porque a sua saúde desandou, começamos a correr de medico em medico: neurologista, hematologista, oncologista, alergologista, imunologista, vários pediatras, endocrinologista, otorrinos, geneticista e etc…  Lembra de quantas vezes você teve sangramentos enormes e que as pessoas não conseguiam ficar calmas diante da situação e você dizia: “Calma. É assim mesmo…” E as madrugadas que saímos correndo pra emergência? Você sempre surpreende filha com sua calma diante das situações difíceis que você já passou… Tão pequena e tem tanta historia pra contar, tanta força que eu só tenho que me orgulhar de você e agradecer a Deus por ter você assim comigo.

Há um pouco mais de um mês tivemos que sair correndo da nossa cidade, pois você estava muito dodói chegando a GYN teve que passar por uma cirurgia e olha filha não pense que foi fácil te deixar na porta do centro cirúrgico, eu ti abracei, ti tranqüilizei, mas ali naquele momento meu coração estava em milhões de pedacinhos eu sentia uma vontade tão grande de chorar e olha não chorei na sua frente porque eu tinha que ser forte por você, eu via seus olhos tão pequenos e cheios de medo foi muito dolorido, eu pedi que Deus te guardasse e te protegesse de qualquer mal e assim ele o fez. Papai do Céu trabalha pra gente em dobro né?? Devemos agradecer em dobro também viu!

Quando fecharam as portas do centro cirúrgico eu chorei e Deus sabe o tamanho da dor que eu sentia naquele momento e era uma dor incompartilhavel. Orei, acreditei e esperei… algumas horas depois  me chamaram pra pegar você e olha não foi  fácil ti ver naquele estado, deveria ser proibido uma criança sofrer tanto daquele jeito… muito sangue, inchaço, dor, inquietação… passei 10 dias sem ouvir sua voz (e isso foi torturante porque você é a criança mais tagarela que já conheci), você vomitou mais do que eu já vomitei uma vida inteira (e olha quando eu estava grávida de você eu vomitava todos os dias, tipo telesena de hora em hora os 9 meses)

Mas o pior passou não foi meu amor?  Agora você está fazendo o tratamento direitinho e se sentindo a criança mais adulta do ultimo mês porque toma comprimido.(oi? Essa é você)  daqui um mês nós temos que voltar a  GYN para refazer seus exames e olha eu sei que vai dar tudo certo, vai sim!!

Hoje você faz um mês de cirurgia e é outra criança e só temos que comemorar, tudo bem que não é a comemoração que mamãe planejou afinal eu nem contava que fosse estar balonada agora mas sei que você está muito feliz aliás todos nós estamos felizes com sua recuperaça.

Parabéns filha por toda sua coragem, por toda sua força!!!! Que papai do céu continue te abençoando infinitamente e te fazendo essa garotinha serelepe, inteligente e que ele te encha de saúde muita saúde!!!

 

 

 

 

 

 

 

Um Beijo na pontinha do seu nariz que é pra você ficar ainda mais feliz!

Com amor,

Mamãe

16/07/11

 

 

Não existe nada nesse mundo que me deixe mais feliz do que a minha filha!! Nada soma tanto e me completa tanto como ela…

Esses dias longe de casa apesar do motivo ser ruim e depois que o pior passou eu percebi o quanto esses dias me fizeram bem… eu pude estar bem perto e exclusiva para a pessoa que mais amo na vida. Desde ontem estou organizando a nova rotina, sim porque eu já penso na hora de voltar pra casa… e olha eu quero mais tempo, mais qualidade mais amor e mais cumplicidade ! Porque filhos são isso… são sim…

E é por isso que a gente faz até careta que é pra expressar uma felicidade que já não cabe de tão grande que é…

 

E quem passou por tudo que passou, anos de sofrimentos e infecçoes e por ultimo cirurgia e hoje está assim meu coração não tem motivos para se entristecer.

O tratamento dela não acabou, os exames ainda estao feinhos por conta de tantas infecçoes e  teremos que retornar  a cada dois meses por pelo menos 2 anos para tratamento mas o pior já passou… e meu coração ta feliz preocupado mas muito feliz!!! (porque o pós cirurgico foi hoooorrivel mas ja passou)

 

As vezes a realidade, a pratica não condiz com a teoria das pesquisas cientificas.

Sempre ouvi falar que amamentação prolongada só faz bem, mas quando se fala em amamentação prolongada se fala daquela que vai além da amamentação exclusiva ate os 6 meses estendendo ate dois anos de idade.

Quando Gabriella nasceu tive muitos problemas para amamentá-la, fui mal orientada, ai depois tive a mastite, mas mesmo assim não desisti demorou para chegarmos no momento mágico da amamentação mas chegamos e consegui amamentá-la até demais pro meu gosto. Ela passou dos dois anos mamando e o pediatra que acompanhava ela na época não me orientou com relação a isso, eu sempre relatava a minha dificuldade de desmamar e o pediatra não dava atenção, ele dizia que mamar não fazia mal a ninguém. Mas tudo que é demais é prejudicial, tomei remédio pro peito secar e ele não secou (oi? Sou uma vaca leiteira) , passei varias coisas com gosto estranho no meu peito e nada de consegui desmamar a Gabriella. Ela chegou aos  4 anos mamando e eu achava isso um absurdo mas ela mamava de manha e a noite, só desmamou mesmo quando ela cresceu e eu com meu jeito maroto comecei a fazer “bulli” na minha própria filha, dizendo: Filha se teus colegas da escola ficarem sabendo que você mama eles irão rir de você; olha você já é uma mocinha e não precisa mais mamar. Em 6 meses de “bulli” consegui desmamar a Gabi e acredita que tive mastite? Nasci pra ser vaca mesmo ne?

Então eu pensei que quando o desmame fosse feito todos os problemas iriam acabar, mas que nada os problemas aumentaram porque ai Gabriella começou a ter uma ansiedade absurda e ao invés de mamar ela começou a querer comer compulsivamente, começou a substituir o acalento do colo para mamar com o acalento de mastigar comida e hoje Gabi vive na faixa de alerta entre sobrepeso e obesidade, claro que outros fatores colaboraram para o aumento do peso dela, como o corticóide, mas a amamentação prolongada (depois de dois anos) fez a porta se abrir.

Eu sei que eu poderia ter batido o pé e não ter dado mais de mamar depois dos dois anos, mas não fui bem orientada e não sabia disso tudo, o primeiro filho sofre ne?  Porque depois dessa experiência com a Gabi eu garanto que se um segundo filho eu tiver a amamentação não passará de dois anos.

A amamentação além de alimentar acalma, acalenta o bebe e como a Gabi deixou de mamar já grande ela ligou bem esse sentimento e transferiu ele para a comida, hoje a pequena vai ao psicólogo  para desvincular esse sentimento e também faz acompanhamento nutricional.

E o que eu quero dizer com esse post?

Que amamentar é uma sensação INCRIVEL! Indescritível!  E que não troco amamentação por mamadeira nenhuma é muito mais saudável amamentar, mas existe um limite e o pediatra tem a obrigação de orientar cada mãe quando chegar a hora do desmame, porque as vezes a criança nem vai sofrer tanto com o desmame mas a mãe vai…ah! Essa vai!! E pode ser ao contrario a mãe se sentir aliviada com o desmame (e isso não é pecado) e a criança sofrer muito, então é preciso uma orientação para desmamar a criança no momento certo e sem prejuízo.

 

Dai que não importanta idade do filho, pode ser 6 ou 60 toda mãe mima ao extremo mas no fundo a gente fica com medo do depois porque os pimpolhos querem que esses agrados exagerados durem a vida inteira e nããããaaaoo pooodxí!!!!!

Mas toda mãe é assim filho doente pede avião, helicoptero, o ceu, o mar, as estrelas, a lua  e a gente que dá. Porque na hora desse desconforto a gente quer mesmo é dar qualquer tipo de conforto até pro nosso coração de mãe.

 

Mas hoje Gabi acordou especialmente bem… depois de 6 dias sem comer nem tomar nada, nem agua e só vomitando… Hoje ela já tomou agua, já falou.. fomos na médica para o retorno pós cirurgico e ta tudo bem, tudo dentro do normal.

Hoje a dor fez uma pausa então vamos celebrar o amor…

mai 032011
 

Blog mãe.

 

Hoje lendo o blog  da Lu Brasil, onde ela postou um texto da Bia Francisco, lembrei da época e das fases da minha filha que eram altamente compartilháveis… Eu era uma super blog mãe, envolvida, engajada mesmo (eu ainda sou mas com o tempo os temas de engajamento vao mudando). Não que eu tenha deixado de ser uma blog mãe, mas é que as fases comuns da minha filha já passaram e agora minha filha vive em uma fase mais intima, mais particular e eu respeito muito isso. Não sei você, mas eu já me peguei pensando: “será que daqui alguns anos minha filha vai gostar de saber que compartilhei sua vida na web??”

Será neurose pensar isso?? Pode ate ser, mas ate que me provem o contrario eu vou continuar pensando assim… Meu blog tem muito de Gabriella afinal eu respiro e vivo Gabriella, a maternidade foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida, foi o que me fez crescer, amadurecer, amar de forma absoluta e plena, foi a maternidade que me ensinou a sempre me colocar no lugar do outro e a lutar pelos direitos daqueles que ainda nem sabem os seus direitos, mas eles existem e devem ser respeitados.

Ser uma blog mãe me deu a oportunidade de registrar detalhes do desenvolvimento da minha filha, porque mesmo a gente não querendo esquecer são tantos detalhes que acabamos esquecendo sim mas graças ao blog tenho tudo registrado e me emociono cada vez que leio coisas que eu já escrevi sobre a minha Gabriella, mas as fases comuns passaram: gravidez, cólicas, amamentação, mastite, coco duro, coco mole há… Engatinhar, primeiro dente, primeiras gracinhas, primeiras palavras, primeiros passos, visitas mensais ao pediatra enfim as Gabriellices e afins… Não é que hoje não seja mais tudo tão divertido, claro que é… Sou mãe com todas as responsabilidades e também com toda diversão, mas é que hoje Gabriella já tem seu mundo particular e não é que eu não vá mais escrever Gabriellices, mas é que hoje seleciono as gabriellices que devem ser compartilhadas e as Gabriellices que não devem ser compartilhadas.

 

Eu ainda amo os blogs relacionados a maternidade, ainda faço parte de uma lista  de mães, inclusive estou participando de um amigo secreto virtual  do dia das mães (ps. a mamis que tirei é linda eo filhote mais ainda) ainda compartilho maternices e Gabriellices, ainda sou uma blog mãe mas não sou uma blog mãe. Ainda falo das minhas experiências com novas e futuras mamães, eu ainda tenho muito o que compartilhar  mas não é mais como antes. Meu bebê mudou, cresceu e na verdade verdadeira eu nem tenho mais um bebe em casa o que tenho agora é uma criança grandona, cheia de opiniões, curiosidades, ideias, ideais e que também não tem mais a mãe como o centro do mundo. Porque ela cresceu e isso é magico.  Tenho uma filha  incrível e dona de um universo particular delicado e divertido.

Não vá pensando que eu não vou mais compartilhar as doçuras da minha filha aliás nós porque o papai também compartilha, claro que vou mas é que hoje depois de ler o post da Bia me deu vontade de escrever isso aqui e até confesso que fiquei com um tiquinho de medo com o que você pode pensar mas ai o @Amor_e_Fe com uma tweet lembrou que sou sim responsavel por tudo que falo e escrevo mas não posso ser responsavel pelo que as pessoas entendem

Minha filha é cheia de encantos e Gabriellices e a mais nova Gabriellice dela foi essa:

O primeiro boletim a gente nunca esquece, principalmente quando ele vem cheio de notas lindas.

EXCELENTE: 9 a 10

BOM: 7 a 8

Parabens pixocota!!!! Em breve dominaremos o mundo! OKEY???

 

“Mamãe eu encolho minha barriga na escola pra ninguém me chamar de gorda”

Eu já tive a idade da minha filha e já fui gordinha não como ela eu era bem mais gordinha do que ela e sei como as crianças da mesma idade são cruéis. Eu era a criança que tinha medo de fazer amigos porque eu tinha a impressão de que sempre iriam me julgar pela aparência e é bem verdade as pessoas julgam pela aparência sim. Na idade dela eu tinha uma ou duas amigas fieis  os outros me chamavam de gorda, puxavam a cadeira quando eu ia sentar, na hora do lanche e da educação física eu tinha que ouvir piadas sobre o meu peso e esses mesmos  “colegas” viravam amigos na época das provas pois a gorda aqui quase sempre se dava bem e eu ouvia: “se você me der cola eu não chamo mais você de gorda” mas nunca me rendi então dizia logo: “por mim tira zero. Sabe porque? Porque me chamou de gorda” e claro que isso era motivo para me chamarem de gorda, baleia saco de areia em dose dupla. Eu sempre tentei ignorar e seguir meu caminho, mas chega uma hora que magoa e que ficam marcas sim.

La pelos 10 anos eu finalmente tinha uma amiga gordinha e ela agia de outra forma, ela sempre levava objetos  e brinquedos legais pra escola, emprestava para todo mundo e levava muita bronca da mãe porque sempre chegava em casa com os brinquedos quebrados mas era uma forma que ela tinha de mudar o foco e as pessoas não prestarem atenção no peso dela e sim nas coisas dela. Mas de toda forma ninguém prestava atenção em quem realmente ela era, porque ser gordo nunca foi fácil.

Ontem quando minha filha chorando me confessou isso eu fiquei extremamente triste e passou um filme da minha infância na minha cabeça, eu sempre fui desencanada, ficava magoada sim  mas deixava pra lá, eu sempre seguia em frente e sempre procurava a Cia de quem me fazia bem e de quem me olhava como pessoa e não apenas como um poço de gordura.

É muito triste saber que  os mesmos problemas de mais de 20 anos atrás ainda existe em uma sociedade que se diz evoluída e na verdade só aprendemos novos nomes para problemas antigos. O Bullying sempre existiu  a única diferença é que hoje ele tem nome e existem especialistas no assunto. O Bullying é qualquer ação que perturbe ou incomode o outro, que desrespeite o outro. Antigamente isso era chamado de: “coisa de menino” as criança se ofendiam, se agrediam e se estapeavam, mas era coisa de menino e ficava por isso mesmo. (o que era e é lamentavel)

Minha filha é uma criança delicada, muito risonha, porém tímida (talvez por isso seja alvo), ela nunca irá bater em outra criança mesmo que ela tenha apanhado antes, ela não ofende mesmo que tenha sido ofendida,  ela não usa de apelidos pejorativos.  E sabe é difícil pra mim como mãe, apaixonada por educação infantil sentir uma pontinha de vontade de falar: “Filha se você falar com pra professora e ela não resolver vai lá e bate neles e se alguém reclamar que você bateu, me avisa que eu vou lá” Mas eu não posso falar isso não é justo comigo, nem com ela. Um mundo cheio de violência e incentivar a violência não é o certo, mas é certo que ela apanhe e seja motivo de chacota por estar acima do peso? Também não é.

Ela faz acompanhamento nutricional porque o sobrepeso já é um sinal de alerta, mas minha pequena também faz acompanhamento psicológico e eu não acho justo que minha filha faça acompanhamento psicológico por causa da falta de educação dos filhos dos outros. Minha filha que toda semana tem que separar uma horinha que poderia utilizar brincando ou estudando para ir ao consultório psicológico aprender a lhe dar com a grosseria alheia.  Minha filha esta lá vivendo, aprendendo, sendo uma boa cidadã em construção, cooperando com a sociedade e sendo agredida por outras crianças, essas crianças agressoras e seus pais que deveriam ir ate o consultório medico. A agressividade verbal e física não é culpa apenas da criança, é culpa dos pais também que não impõe limites, que não educam, que não mostram que uma sociedade é composta de diversidades e que devem ser respeitadas. Ensino para minha filha que todos devem ser respeitados e que uma aparência não significa nada quando o coração é do bem e age para o bem.

Quando uma família acha bonito apelidar, fazer chacota a criança leva aquilo pra fora de casa e essa é uma triste realidade de um país onde uma grande parte dos pais só se preocupam em mandar para escola e o professor que se vire e não é bem assim, educar é um trabalho em equipe, educar começa em casa!! Se seu filho é mal educado em casa ele será mal educado em qualquer lugar que ele for.

Sou filha caçula e não esqueço de um dia que eu estava me comportando mal e minha irmã disse a forma correta de agir e eu falei: “eu to em casa e posso fazer como quiser” Ela me disse: “Costume de casa vai praça” naquele dia ela me educou e mostrou que educação é de casa para a rua e não da rua para casa. (Obrigada irmã)

Ano passado fui ate a escola da Gabriella, uma escola muito atenciosa com isso, que se preocupada muito com cada aluno, a escola que minha filha estuda não fecha os olhos para esse grande problema que vivemos hoje: O Bullying. No ano passado foi feita uma campanha contra bullying e lá pelo que já percebi os professores estão de olhos bem abertos, mas como disse existem problemas que vêem de casa e que se não forem tolidos pelos pais é impossível a escola fazer tudo sozinha. Se torna algo confuso para a criança que em casa tem aquele comportamento ruim apoiado pelos pais e na escola é tolido pelos professores.

Sou filha caçula e não esqueço de um dia que eu estava me comportando mal e minha irmã disse a forma correta de agir e eu falei: “eu to em casa e posso fazer como quiser” Então ouvi minha irmã falando: “Costume de casa vai a praça” naquele dia ela me educou e mostrou que educação é de casa para a rua e não da rua para casa. (Obrigada irmã)

E não minha filha não pode pagar e sacrificar sua infância por causa de crianças agressoras. Pais, se envolvam na educação dos seus filhos e não deixem que seus filhos façam com os filhos dos outros o que vocês não gostariam que os filhos dos outros fizessem com os seus.

 

Nunca imaginei que seria a mãe que sou hoje mas também não imaginava que um bichinho miudinho, chorão e cagão pudesse dissolver meu coração com pequenos (GRANDES) gestos. (tipo fazer cocoris e sorrir ao mesmo tempo?)

Nunca imaginei que um dia eu fosse enfrentar o mundo ou carregar o mundo nas minhas costas e suportar toda e qualquer dor sorrindo na verdade eu jamais poderia imaginar algo do mundo materno antes de ser mãe, antes do amor de mãe nascer em mim. Ser mãe fez de mim uma pessoa mais forte, uma pessoa mais determinada, uma pessoa mais humana… As vezes eu vejo tanta gente de coração endurecido, enchendo a boca dizendo que não quer filhos… E é especialmente para essas pessoas que eu desejo filhos… muitos filhos…

 

Quando nasce um filho nasce uma mãe… um pai… e muitos sonhos. Eu queria ter podido ter muitos filhos para sempre estar renascendo e também renovando meus sonhos. Entrei na menopausa precoce aos 25 anos e os médicos não conseguiam explicar o meu sangramento e todos os outros sintomas que eu tinha, fiquei passando de medico em medico por muitos meses, tomei diversos medicamentos que não surtiam efeito nenhum  e quando finalmente foi descoberto que o meu problema era menopausa precoce já era tarde demais para reverter a situação. Deixei de produzir estrogênio de forma natural e muito cedo e o mais triste foram as duras palavras no laudo de um dos exames: “falência ovariana prematura” naquele momento meu próprio corpo tirou de mim os mais lindos sonhos que sonhei uma vida inteira. Meu medico optou pela não retirada do útero e ovários por até 5 anos (ou seja até os 31 anos) porque ele disse que para medicina dele existem muitas impossibilidades mas para a medicina de Deus não existe impossibilidade alguma. Ele crê que assim como meu corpo “faliu” muito cedo por algum motivo ele pode sair dessa falência porque até o ano passado nos exames ainda demonstravam sensibilidade ao hormônio da reprodução por menor que fosse seria ainda uma possibilidade, meus ovários atrofiaram (murcharam) não são mais visualizados via usg. A fertilidade fazia com que eu me sentisse plena a infertilidade me deixou um vazio, mas eu ainda consigo acreditar que mais pra frente terei um pequeno cabeludinho crescendo em mim novamente, afinal Gabriella nasceu dentro da impossibilidade, eu tomava anticoncepcional religiosamente há muito tempo. (anticoncepcional é fraco ou o meu respectivo é forte? To confusa)

Sabe o que é mais enlouquecedor? Que todos diziam que a minha gravidez tinha vindo na hora errada. Hora errada seria ter tido a falência ovariana antes de ter tido um filho. Isso me conforta muito.

A verdade é que filhos dão sentido a vida, a gente passa a valorizar cada detalhe da vida porque só depois que temos filhos é que conseguimos de fato nos colocar no lugar do outro, sentir o outro e se importar com outro.

Eu queria valorizar cada detalhe de uma forma diferente pelo menos 4 vezes, 4 filhos, 4 vidas diferentes, 4 formas de ver a vida.

Mas eu tenho uma filha incrivel que veio sob medida e me faz ver a vida de pelo menos 64789754 formas diferentes por dia.

Não entendo as mulheres que vivem na contra mão desejando não ter filhos nunca e que abominam a gravidez eu até respeito e não discuto muito o assunto com elas, mas acredito que tudo isso seja um grande medo de crescer, de ter um coração correndo pra fora de si, medo das maiores responsabilidades e até mesmo de assuar nariz alheio, limpar vomito e bumbum de neném, de aprender novas prioridades e etc… Já eu? Sempre quis ser mãe! Na infância eu era mãe de bonecas, cachorros, gatos, arvores, mesas e cadeiras eu queria era ser mãe e pronto. Não só porque um bebê cabeludinho é a coisa mais fofa desse mundo, mas é porque ver alguem crescer emocionalmente e fisicamente todos os dias é algo incrível e mais incrível ainda é participar desse crescimento.

Contrariando o livro francês que dá 40 razões para não ter filhos, a revista Pais e Filhos publicou, em abril, em seu site, um artigo intitulado “40 razões para ter filho”.

1. Por que você quer. E muito

2. Para deixar de ser só filho

3. Para entender melhor seus pais

4. Para descobrir uma imensa e surpreendente capacidade de amar

5. Para incluir mais gente numa história de amor que dá certo

6. Para deixar de ser adolescente

7. Para sentir o poder de gerar outra pessoa

8. Para aprender a respeitar as diferenças

9. Pra se emocionar com as conquistas dele

10. Para aprender que as coisas são como são, nem tudo é perfeito. E tudo bem!

11. Para tomar mais cuidado com você mesmo

12. Aceitar a maturidade com tranqüilidade

13. Para poder, um dia, ser avó ou avô

14. Para cuidar de alguém

15. Para deixar de ser o centro da própria vida

16. Para rever suas prioridades

17. Ter um bom motivo para chegar mais cedo em casaFilho

18. Ficar um tempo sem trabalhar

19. Sentir o prazer de amamentar

20. Sentir o prazer de dar de mamar

21. Para passar pela experiência do parto

22. Para conhecer a pessoa mais linda do mundo

23. Para ouvir alguém te chamar de mãe ou pai

24. Reviver um pouco da sua própria infância, ou tirar uma casquinha da infância deles…“

25. Comprar brinquedos incríveis para eles e para você

26. Para se renovar e rejuvenescer

27. Para entender de uma vez que preocupação com ambiente não é coisa de ecochato

28. Para adquirir hábitos mais saudáveis

29. Para descobrir seu lado meio médico

30. Pra sentir um certo gostinho de continuidade

31. Descobrir que você sabe contar histórias

32. Para olhar para as coisas de novo, como pela primeira vez

33. Ter um motivo para aprender a cozinhar

34. Porque o pai hoje participa de tudo

35. Porque a medicina evoluiu muito

36. Para sentir o que é ter alguém que confia 100% em você

37. Encarar o futuro de uma nova maneira

38. Para ter a enorme chance de se tornar um ser humano melhor

39. Ter filho não é dar à luz, é receber iluminação diária

40. Porque seu filho é único e tudo que você sente em relação a ele é intraduzível…

 

Até quando acreditar?

Natal não é meu forte. Digo pela data comercial, a falsidade de algumas pessoas que só me amam no periodo Natalino porque pra MIM Natal é muito mais do que isso, mas levo toda alegria de viver o Natal por causa da minha filha de 6 anos. Ela ainda acredita no Papai Noel e sabe eu pensei que nos 45 minutos do segundo tempo desse ano ela fosse passar a não acreditar. Mas como ela ainda acredita no Papai Noel eu prometo que meu lado mãe irá viver o Natal mas o outro vai matar o lado mãe logo depois da ceia.

Natal me cansa, me obriga sabe! É que ela ve todo mundo com a casa enfeitada e aqui em casa not. Aí só vou quando ela cobra. (to indo semana que vem comprar papai noel, sei lá algum enfeite)

No Natal eu gosto de ficar em casa, não gosto de ir pra casa de ninguém.  Também não gosto de amigo oculto mas devo confessar que o ultimo que participei foi o de encerramento da pós – graduação e eu gostei mas só gostei daquele e pronto.

Aí se não bastassem todas as coisas chatas do Natal a Gabriella acredita no Papai Noel né aí eu tenho que entrar no clima por amor a patria, mas fico me perguntando:  até quando é saudavel  acreditar no Papai Noel?

É uma fase linda de amor e magia, onde algumas crianças conseguem transformar um desejo em realidade. (eu digo algumas porque não consigo esquecer daquelas crianças não conseguem nem um prato de comida na noite de natal) E sabe… transformar um desejo em realidade deixa marcado para sempre e nós pais temos um papel muito importante nessa fase de magia e realidade.  Eu entendo sim que todos os pais devem incentivar  essa fantasia e que devem estar prontos para explicarem a mesma quando a criança descobrir que Papail Noel não existe.

Eu descobri que o Papai Noel não existia quando o leso do meu pai fez o maior barulho do mundo pra colocar minha caloi atrás da porta, mas eu nem contei pra ele eu fingi que tinha sido o Papai Noel mesmo How How How…. É que sabe como é né? Me ter como filha não é “fassio”

A fantasia tem um papel muito importante no desenvolvimento da criança. “As transformações da criança dependem muito do seu  desenvolvimento dentro da família. Os pais são o seu suporte. Isso vale para a vida toda.”

Eu sei que tem gente doida que não gosta de Papai Noel porque diz que é demoniaco, outras que só relacionam o velhinho com o data comercial. Mas vem cá, eu tento fazer do velhinho chato e barrigudo um cara legal, doce e pra desenvolver a imaginação da Gabis que as vezes fica pensando: “onde o papai noel mora?, como ele faz todos os presentes?, como ele consegue entregar todos os presentes?” É tão lindo ver os olhinhos dela brilhando quando ela fala no Papai Noel.

Mas sempre digo que Natal não é só Papai Noel, presentes, não são só os enfeites e que o Natal é JESUS, o nascimento de Jesus Cristo. (aí sim nesse sentido eu tenho toda alegria do ser humano)

Uma dia desses ela se achando a sabichona disse: “mãe eu já sei de uma coisa! O Papai Noel não consegue fazer todos aqueles presentes”

Aí eu pensei toda animada: Opa é agora. Ela vai dizer: Ele non ecziste.

Que nada…

Ela disse: “ele encomenda nas fabricas e pega nas lojas tipo o mundo dos plasticos e casa de brinquedo”

Ai que desanimo g-zuis!!  Mas eu sorri e disse:  Isso mesmo Gabi, são muitas crianças né? E ele é super pratico é moderno.

-mãe, o papai noel tem email?

Aqui em casa até o cachorro tem email. Ok? Praticidade é meu lema! Ahaahah mas ela prefere cartas.  Aí ano passado ela descobriu que eu não dei sumiço na carta dela ops que eu não enviei a carta dela. Aí eu disse: Ah! Não precisa enviar, basta escrever. O Papai Noel sente direto do seu coração.

Ah! Para!!!!

Não complica!! Não é “fassio” acordar 5 da manhã, depois de uma ceia que foi até as 3 da manhã pra colocar o presente ao lado da cama. Só pra ela pensar que o véi barrigudo passou por aqui.

Mas eu faço e você?

ps. os posts a baixo relacionados ao Natal são de 1 e 2 anos atrás mas na transferencia de arquivos eles estão sem data.

nov 182010
 

“Quero ficar no teu corpo
Feito tatuagem
Que é prá te dar coragem
Prá seguir viagem
Quando a noite vem…”

(Chico Buarque)

Fiz essa tatuagem ha mais de 3 anos, pra minha pequena(e ta vermelha assim porque a foto foi tirada no dia que fiz). Foi tão lindo quando ela viu a bonequinha e quando viu o nome dela. É uma pena que não seja possível tatuar o rostinho dela quando ela viu essa tatuagem. Porque toda vez que lembro meus olhos ficam cheios de lágrimas. Aí quando canto Chico Buarque pra Gabriella ela fica toda prosa, com um olhar que parece até poesia….

 

Gostaria de saber das mães que trabalham em casa qual a dificuldade de estar presente? Porque mesmo trabalhando em casa as vezes me sinto ausente de alguns momentos da Gabriella. Pensei que trabalhar em casa fosse a solução de todos os meu problemas mas acabei encontrando novos problemas e novos desafios ligados a maternidade. As vezes da uma dó porque ela diz: “mãe você ta sempre nesse computador”  Sempre que posso saio com ela, todos os dias paro tudo pra fazer a tarefa, sentar pra almoçar, pra hora do banho, uma brincadeirinha, assistir pelo menos 15 minuitos de TV com ela ou ler um livro ou revista, mas ultimamente ela tem reclamando dessa “presença ausente” e as vezes nem sei como proceder.

Converso com ela e explico que na maior parte do tempo que estou no computador estou ganhando dinheiro para nós duas. As vezes chamo ela pra sentar aqui do meu ladinho para que ela se sinta mais envolvida mas mesmo assim tem sido complicado.

Ela sente falta principalmente agora no final do ano que  o meu ritmo acelera. Quando não estou nesse ritmo acelerado eu deito com ela depois do  almoço, tiro uma sonequinha aí quando dá acompanho ela durante a aula de ballet.

Mas tem dias que não da pra brincar muito menos assistir TV com ela.  Logo que comecei a ser uma mãe em home office eu estipulei horarios, afinal disciplina é muito importante quando se trabalha em casa. Mas nem todas as pessoas respeitam horarios como eu respeito os meus, então acabam ligando fora de hora e eu simplesmente não posso deixar de atender afinal time is money.  Mas aproveito bem o tempo que minha filha está na escola, porque assim quando ela retorna da escola fico de meio dia as 14 horas só com ela tudo bem que as vezes faço uma pausa para olhar se chegou e-mail importante, abro mão de 5 minutinhos apenas mas esse horario de meio dia as 14 é sagrado e as 17 horas paro com tudo e a noite quase nunca você me encontrará online.

Mesmo tentando ter toda disciplina do mundo durante meu “horario de expediente” eu preciso acodir minha Gabi vez em quando ou preciso parar para fazer outras coisas de casa, logo porque nem todas as pessoas que convivo entendem o que é ser uma mãe em home office.

Quase todos os finais de semana tiro para a familia exceto este que preciso adiantar algumas campanhas e textos. Aí enquanto ela assiste um filme lá no meu quarto eu me sinto culpada aqui na sala, principalmente quando ela diz: “mas poooxa mãe hoje é final de semana”

Mas é que algumas oportunidades não batem na porta duas vezes mas infelizmente a culpa desta “presença ausente” tem morado em mim quase todos os dias.

 

 

Gabriella está prestes a completar 6 anos e eu fico tão nostalgica…

Fico lembrando de quando estava gravida, do nascimento, dos primeiros dias, de cada passo, de cada descoberta, cada sorriso, cada choro, cada aperreio, de cada fase e eu sinto uma saudade absurda de cada segundo que já passou mas é uma saudade boa… uma saudade e uma certeza de que já vencemos muitas coisas. Uma saudade que me mostra o quanto Gabriella me ensinou a ser gente, a ter mais valores, mais sentimentos, a me colocar no lugar do outro de forma unica.

Quando Gabriella nasceu ela trouxe para mim força, alegria, sorrisos, dificuldades mas também muitas vitórias. Uma vontade unica de vencer, de ajudar o proximo. Não que antes de ser mãe eu não ajudasse mas ajudar o proximo agora tem um sentido muito mais especial.

Um dia desses ela cabia no meu colo e se aninhava de forma incrivel. Hoje eu vejo uma garota enorme com quase 6 anos mas com tamanho de uma criança de 8 ou 10 anos, vejo ela correndo pela casa, cheia de vontade de descobrir o mundo, uma menina que lê tudo e já até conversa com o pai através do Gtalk. Vejo uma princesa serelepe, uma moleca inteligente e curiosa. Vejo uma menina teimosa, maluvida que só ela e sabe… se a maternidade fosse perfeita não seria tão gostosa. É bom ter umas pedras no meio do caminho, algumas duvidas sobre como educar, como proceder diante das situações dificeis.

Minha filha é minha melhor amiga e isso é impagavel! Nunca pensei que pudesse ser tão abençoada…

 

Filha eu te amo  muito!!

Te amo até quando todo ano você adoece bem perto do seu aniversário e me vomita inteira. Esse ano não foi diferente, faltam dois dias para os eu aniversário e hoje você já acordou com uma febre monstra, passou o dia molenga na cama e claro que me vomitou. Mas é sempre assim, você adoece e no dia do aniversário parece que nem esteve doente. (ainda bem né?) Sua pediatra diz que isso é ansiedade. Ta bom! eu vou acalmar meu coração e acreditar porque estamos no sexto ano de puro vomito e glamour.

 

Ass. Fernanda Ramalho apodrecendo no paraíso desde 2004.

 

 

A Loja Cheia de Vida é a primeira e única loja da cidade de Rio Branco especializada na moda gestante. Eu digo que é única porque a Loja Cheia de Vida não se preocupa apenas com a fase antes do parto, ela se preocupa com o antes, durante e depois do parto.  Ela tem vários  artigos que facilitam a vida da mamãe e do bebê. Além do mais se preocupa com o que a gravidinha vai vestir tendo sensibilidade, simplicidade e sofisticação para todos os momentos da gravidez que é um momento único e repleto de sentimentos.

Praticidade também faz parte da Loja Cheia de Vida ao invés de procurar em várias lojas você pode encontrar tudo em um só lugar, além de roupas e acessórios para gestante agora você também pode encontrar algumas peças para o seu bebê.

Agora só é gravida estilo vovózinha quem quer, porque a Loja Cheia de Vida está no mercado cheia de opções de roupas para o dia a dia até vestidos de festa, todos em  cortes finos que realçam a gravidez e deixam a mamãe ainda mais linda.

Vou até entregar minha irmã que não é gravidinha mas compra roupas na Loja Cheia de Vida porque elas são irresistiveis, confortaveis, com cortes que realçam o corpo e dão ainda mais vida para nós mulheres.

Lá você também encontra: lindos e os mais seguros slings, concha para amamentação que devem ser usadas antes do parto e aquelas que devem ser usadas depois do parto, travesseiro anti refluxo, bolsas térmicas, capas para amamentação, mala para maternidade, cintas, blusas para amamentar com abertura especial, bolsa térmica para alivio das cólicas e etc… .

A Loja Cheia de Vida fica na rua do Aviário, 51, em frente ao Supermercado Araújo. O telefone é 3223-5013.

A Loja Cheia de Vida também tem um blog: http://lojacheiadevida.blogspot.com/

Twitter: @lojacheiadevida

Ah! A Loja Cheia de Vida aceita lista para presentes de aniversário e ou chá de bebê.

Então nada de ficar aí parada corra lá na Loja Cheia de Vida e apaixone-se pela infinidade de artigos.

Não ta gravida? Tem coisas pra você também e para aquela sua amiga que está prestes a ganhar bebê, ela vai adorar ser presenteada com algo da Loja Cheia de Vida.

Qualidade, bom preço, comodidade e praticidade é tudo que uma grávida precisa e só a Loja Cheia de Vida oferece isso.

out 012010
 

Ser mãe é apodrecer no paraíso.

Ser mãe é arriscar fazer uma programação para o final de semana e o filho acordar doente.

Ser mãe é estar de roupa nova, pronta pra sair e o filho começar a vomitar.

Ser mãe é amar incondicionalmente uma criatura catarrenta, cocozenta, peidorrenta e que de quebra vomita você inteira.

Ser mãe é ter uma vida totalmente imprevisível e mesmo assim não trocar essa vida por nada no mundo.

Hoje to meio Chicó (do alto da compadecida) não sei… só sei que foi assim… Gabriella dormiu muito bem e acordou vomitando e com febre.

Vou ali na URGIL apodrecer um pouco no paraíso.

© 2012 Brindo à vida Suffusion theme by Sayontan Sinha