Não sei que titulo colocar nesse post porque é algo que falo pouco, recebo muitos e-mails e mentions perguntando sobre a cirurgia de tireóide, sobre o câncer, sobre o tratamento… Eu falo pouco disso porque já pensou eu entrar aqui todo dia e falar: Estou com dor; fui ao hospital; não dormi de tanta dor; não tenho conseguido fazer isto ou aquilo.

Eu quero entrar aqui e compartilhar o melhor de mim sempre, claro minha vida não é perfeita e 2011 foi trash, mas me apegar a isso? Nunca.

Mais de 40 dias pós cirurgia e eu estou me recuperando digamos razoavelmente bem, claro que com a retirada da tireóide muitas coisas mudaram, meu corpo está se adaptando e alguns dias não são fáceis, sinto muito cansaço, dor no corpo, na cabeça, humor pior do que TPM são reações por causa da medicação que substitui o hormônio que a glândula produzia. E por causa desse hormônio a pele ta feia e o cabelo pior ainda. Oi?

E o mais “engraçado” é quando alguém me encontra na rua e diz: “nem parece que você ta doente”

Já te contaram que o melhor jeito de ficar boa é não sentir-se doente? Pois é. Aplica isso na minha vida, tenho vivido quase que normalmente respeitando os limites do meu corpo e tem dado certo.

Mas dentro da situação estou tranqüila, claro que as vezes fico preocupada e sinto medo mas o importante é que o tumor já foi retirado e dia 30/12 faço um exame que será decisivo, onde irá medir as células malignas e por aí escolhe o tratamento definitivo. E porque tenho que esperar? Porque esse tipo de câncer é assim, o mais brando e o que tem que ter mais paciência, porque o corpo precisa se acostumar com a ausência da tireóide. Fazer o exame assim que faz a cirurgia é inconclusivo. Então se isso fosse o BBB eu estaria passando pela prova de resistência e  já falei, porque descobrir um câncer, passar por cirurgia e ter que esperar é muita resistência. Mas vou vencer e vou ser a líder! Hááá

Dias bons… e dias ruins… quem não os tem? Todos. Mas  alguns escolhem sorrir e outros chorar.

Smile!! 😉

 

 

Estou há dois anos lutando contra a obesidade, me reeducando alimentarmente  uma luta diária que não é nada fácil e depois de emagrecer 50 kilos passar pelo que estou passando me deixa completamente desestruturada física e emocionalmente. A tireóide é uma glândula que tem como principal função regular o metabolismo e a minha tireóide foi retirada inteira está sendo devastador ter uma vida sem ela, mesmo com a reposição hormonal que será pro resto da vida eu sinto devastada e as vezes desmotivada. Operei há 15 dias e engordei 8 kilos mantendo a alimentação saudável.

Eu sabia que viver sem a tireóide não seria fácil pelo menos no começo mas não sabia que iria ser tão difícil tão desgastante física e emocionalmente.

Pareço forte, mas eu choro e choro como uma criança que acabou de perder seu ursinho preferido, eu encosto a cabeça no travesseiro e quando todos dormem eu choro… eu choro com a sensaçao de que tudo está perdido mesmo tendo consciência de que é só o começo e que o começo é difícil mas depois as coisas vao entrando nos eixos, mas olha dona vida eu tenho pressa… não acho justo esse depois, eu quero hoje… eu quero agora.

Tive dias que acordar péssima de tão inchada, dolorida, gorda, chorosa, horrorosa sem querer ver ninguém. triste por lembrar da auto estima que recuperei e da auto estima que estou perdendo e não quero perde-la.

Tenho perdido as forças para me olhar no espelho e me enfrentar…

Eu tenho buscado forças para acreditar na cura, tenho buscado forças para continuar sendo boa mãe… tenho buscado forças pra continuar sorrindo e tenho encontrado essa força em Deus,  no afeto, nos afagos, nos gestos de carinho e tambem dentro de mim. Eu quero continuar buscando essa força dentro de mim porque eu sei que na hora que a gente precisa ser forte e superar a gente não tem outra opção como  a de ser fraca por exemplo então eu quero me manter forte!

Eu só não sei por onde recomeçar… eu nunca me senti frágil, dependente e com medo. É tudo tão novo que não sei por onde recomeçar….

E escrever um pouco de dor faz bem talvez daqui a pouco eu durma e amanhã mais nenhuma dessas lagrimas farão sentido porque escrever tem sido meu analgesico preferido

jun 242011
 

Eu gosto de gente delicada, de gente que consegue fazer o outro MUITO feliz com pequenos gestos… delicadeza e educação andam juntos e só consegue ser delicado quem é muito bem educado.

Gosto de verdades até daquelas verdades doloridas. Não gosto de quem me esconde algo…

Não gosto de quem mente, grande ou pequena mentira é sempre mentira e eu não suporto!

Se você diz que foi até a segunda porta e eu te encontro na terceira EU NUNCA MAIS VOU CONFIAR EM VOCÊ!

Não gosto de gente que me enganada. Sabe por quê?? Porque eu NUNCA enganei ninguém!!!!!!!!!!!

Prefiro os meus ataques de sincericidio do que a falsidade de quem ACHA QUE ME engana.

 

“Mamãe eu encolho minha barriga na escola pra ninguém me chamar de gorda”

Eu já tive a idade da minha filha e já fui gordinha não como ela eu era bem mais gordinha do que ela e sei como as crianças da mesma idade são cruéis. Eu era a criança que tinha medo de fazer amigos porque eu tinha a impressão de que sempre iriam me julgar pela aparência e é bem verdade as pessoas julgam pela aparência sim. Na idade dela eu tinha uma ou duas amigas fieis  os outros me chamavam de gorda, puxavam a cadeira quando eu ia sentar, na hora do lanche e da educação física eu tinha que ouvir piadas sobre o meu peso e esses mesmos  “colegas” viravam amigos na época das provas pois a gorda aqui quase sempre se dava bem e eu ouvia: “se você me der cola eu não chamo mais você de gorda” mas nunca me rendi então dizia logo: “por mim tira zero. Sabe porque? Porque me chamou de gorda” e claro que isso era motivo para me chamarem de gorda, baleia saco de areia em dose dupla. Eu sempre tentei ignorar e seguir meu caminho, mas chega uma hora que magoa e que ficam marcas sim.

La pelos 10 anos eu finalmente tinha uma amiga gordinha e ela agia de outra forma, ela sempre levava objetos  e brinquedos legais pra escola, emprestava para todo mundo e levava muita bronca da mãe porque sempre chegava em casa com os brinquedos quebrados mas era uma forma que ela tinha de mudar o foco e as pessoas não prestarem atenção no peso dela e sim nas coisas dela. Mas de toda forma ninguém prestava atenção em quem realmente ela era, porque ser gordo nunca foi fácil.

Ontem quando minha filha chorando me confessou isso eu fiquei extremamente triste e passou um filme da minha infância na minha cabeça, eu sempre fui desencanada, ficava magoada sim  mas deixava pra lá, eu sempre seguia em frente e sempre procurava a Cia de quem me fazia bem e de quem me olhava como pessoa e não apenas como um poço de gordura.

É muito triste saber que  os mesmos problemas de mais de 20 anos atrás ainda existe em uma sociedade que se diz evoluída e na verdade só aprendemos novos nomes para problemas antigos. O Bullying sempre existiu  a única diferença é que hoje ele tem nome e existem especialistas no assunto. O Bullying é qualquer ação que perturbe ou incomode o outro, que desrespeite o outro. Antigamente isso era chamado de: “coisa de menino” as criança se ofendiam, se agrediam e se estapeavam, mas era coisa de menino e ficava por isso mesmo. (o que era e é lamentavel)

Minha filha é uma criança delicada, muito risonha, porém tímida (talvez por isso seja alvo), ela nunca irá bater em outra criança mesmo que ela tenha apanhado antes, ela não ofende mesmo que tenha sido ofendida,  ela não usa de apelidos pejorativos.  E sabe é difícil pra mim como mãe, apaixonada por educação infantil sentir uma pontinha de vontade de falar: “Filha se você falar com pra professora e ela não resolver vai lá e bate neles e se alguém reclamar que você bateu, me avisa que eu vou lá” Mas eu não posso falar isso não é justo comigo, nem com ela. Um mundo cheio de violência e incentivar a violência não é o certo, mas é certo que ela apanhe e seja motivo de chacota por estar acima do peso? Também não é.

Ela faz acompanhamento nutricional porque o sobrepeso já é um sinal de alerta, mas minha pequena também faz acompanhamento psicológico e eu não acho justo que minha filha faça acompanhamento psicológico por causa da falta de educação dos filhos dos outros. Minha filha que toda semana tem que separar uma horinha que poderia utilizar brincando ou estudando para ir ao consultório psicológico aprender a lhe dar com a grosseria alheia.  Minha filha esta lá vivendo, aprendendo, sendo uma boa cidadã em construção, cooperando com a sociedade e sendo agredida por outras crianças, essas crianças agressoras e seus pais que deveriam ir ate o consultório medico. A agressividade verbal e física não é culpa apenas da criança, é culpa dos pais também que não impõe limites, que não educam, que não mostram que uma sociedade é composta de diversidades e que devem ser respeitadas. Ensino para minha filha que todos devem ser respeitados e que uma aparência não significa nada quando o coração é do bem e age para o bem.

Quando uma família acha bonito apelidar, fazer chacota a criança leva aquilo pra fora de casa e essa é uma triste realidade de um país onde uma grande parte dos pais só se preocupam em mandar para escola e o professor que se vire e não é bem assim, educar é um trabalho em equipe, educar começa em casa!! Se seu filho é mal educado em casa ele será mal educado em qualquer lugar que ele for.

Sou filha caçula e não esqueço de um dia que eu estava me comportando mal e minha irmã disse a forma correta de agir e eu falei: “eu to em casa e posso fazer como quiser” Ela me disse: “Costume de casa vai praça” naquele dia ela me educou e mostrou que educação é de casa para a rua e não da rua para casa. (Obrigada irmã)

Ano passado fui ate a escola da Gabriella, uma escola muito atenciosa com isso, que se preocupada muito com cada aluno, a escola que minha filha estuda não fecha os olhos para esse grande problema que vivemos hoje: O Bullying. No ano passado foi feita uma campanha contra bullying e lá pelo que já percebi os professores estão de olhos bem abertos, mas como disse existem problemas que vêem de casa e que se não forem tolidos pelos pais é impossível a escola fazer tudo sozinha. Se torna algo confuso para a criança que em casa tem aquele comportamento ruim apoiado pelos pais e na escola é tolido pelos professores.

Sou filha caçula e não esqueço de um dia que eu estava me comportando mal e minha irmã disse a forma correta de agir e eu falei: “eu to em casa e posso fazer como quiser” Então ouvi minha irmã falando: “Costume de casa vai a praça” naquele dia ela me educou e mostrou que educação é de casa para a rua e não da rua para casa. (Obrigada irmã)

E não minha filha não pode pagar e sacrificar sua infância por causa de crianças agressoras. Pais, se envolvam na educação dos seus filhos e não deixem que seus filhos façam com os filhos dos outros o que vocês não gostariam que os filhos dos outros fizessem com os seus.

 

Pelo que tudo indica esse é o primeiro Natal em 6 anos que vou passar longe da minha filha e eu to morrendo por isso, já desidratei de tanto chorar. É que não ando na casa da minha sogra, ela não gosta de mim, nem do meu relacionamento com o filho dela( pausa não sou obrigada a ficar aguentando desaforo e cara de poucos amigos né?) e esse ano vai ter festa por lá. A familia por parte de Pai da Gabriella é bem maior e tem mais crianças, a minha é pequena e tem pouquissimas crianças, da pra contar nos dedos de uma mão só e ainda sobra dedo. Então pra ela é bem mais legal, mais divertido ir pra casa do pai brincar com um montão de crianças do que ficar no meio de um montão de adultos e foi o que ela escolheu e eu não interfiro, embora me doa muito eu não interfiro nessa escolha dela. O Pai da Gabi foi ausente durante muito tempo, ha 1 ano nos entendemos e estamos namorando e é muito estranho mesmo assim ter que passar o primeiro Natal longe da minha filha. Durante 6 anos eu nunca me senti desolada e incompleta porque no Natal eu sempre tive a cia dela que é a maior razão e sentido da minha vida.  Porque eu sempre passei o Natal em familia, quase sempre em casa porque Natal pra mim tem outro sentido, outro valor e agora  estou totalmente desagregada. Sei que o pior sofrimento é aquele por antecipação mas eu estou assim: sofrendo por antecipação.

Mas não posso tirar da Gabriella o desejo de estar com os primos que ela conquistou em um pouco mais de 1 ano. Ser criança na minha familia é chato mesmo dou toda razão pra ela, só tem adulto!! Pra ela vai ser bem mais legal e como ela já falou: “Mãe aqui em casa o Natal não tem muita brincadeira e lá no meu pai tem muita brincadeira sempre” Ela disse que vai e quando estiver cansada me liga pra ir busca-la. E eu? certeza que vou ficar em casa inquieta, tentando me concentrar num filme qualquer.

Não sou a pessoa que mais ama Natal nesse mundo mas todos os anos que eu vivi o Natal foi pela Gabriella. Apesar de doer muito em mim não podermos passar os 3 juntos eu acho muito importante que a decisão da Gabriella seja respeitada eu sei que muitas coisas podem mudar daqui pra lá mas independente de qualquer coisas eu respeito a decisão da Gabriella assim como deveriam respeitar a minha quando não sinto desejo de frequentar determinados lugares.

Você já passou o Natal longe dos seus filhos? como foi?

“Já caí inúmeras vezes achando que não iria me reerguer, já me reergui inúmeras vezes achando que não cairia mais.”

– Clarice Lispector.

 

Ontem Gabriella estava se preparando para sua primeira festa sem a minha presença, em comemoração ao dia da criança a escola onde ela estuda fez uma festa do pijama. Uma festa a noite! isso é tudo que uma criança deseja para se sentir  a criança mais adulta das ultimas 5 horas.

Enquanto eu arrumava os cabelos da minha pequena, a babá do meu sobrinho me liga desesperada de uma forma que mal conseguia falar enquanto eu tentava entende-la eu ouvia os gritos do meu sobrinho que tem apenas 2 anos. Eu pedi que a babá repetisse porque eu não tinha entendido (nesse momento já imaginei um milhão de coisas) Quando pedi que ela repetisse eu entendi que meu sobrinho tinha colocado um caroço de milho de pipoca no nariz.  Eu sai de casa correndo e nessa hora murphy age  de uma forma impressionante minha irmã estava na aula e tinha esquecido o celular em casa. Graças a Deus a babá conseguiu ligar pra mim mas mesmo assim murphy não achou suficiente e  eu peguei o pior transito da ultima semana e olha que minha irmã mora razoavelmente proximo a minha casa. Eu fiquei imaginando se meu sobrinho já teria aspirado o caroço de milho,  se  o milho ainda estava no nariz dele, se ele estava respirando bem e etc…

No caminho saí ligando para os hospitais, liguei pra URGIL fui orientada a ir até lá caso o milho ainda estivesse visível. Não acreditando liguei no SAMU onde a médica me orientou de forma extraordinária, aproveitando quero agradecer a parabenizar a equipe do SAMU. Fui bem orientada só que chegando na URGIL com uma criança de 2 anos no colo e com um caroço de milho no nariz a medica do plantão simplesmente disse que não retirava e na minha opinião é INCOMPETÊNCIA. Se ela é incompetente ela poderia ligar para outro médico de sobreaviso ou então ligar para o otorrino. Porque um hospital de urgência e emergência  infantil não ter um médico capacitado pra retirar um caroço de milho do nariz de uma criança é um ABSURDO. O pior de tudo foi uma médica que não estava no plantão mas estava lá, se negou a tirar porque não era o plantão dela. Isso se chama omissão de socorro.

Ficavam me empurrando de um lado para o outro e nenhuma das duas médicas se quer examinaram a criança, a médica que estava no plantão não saiu nem do consultório e eu lá fora com o menino no colo sendo enganada enquanto o pior poderia acontecer que era ela aspirar o caroço de milho que estava dentro no nariz entalado e era mais fácil subir do que descer.

Eu saí de lá (depois de xingar todo mundo) e fui para o Pronto Socorro onde fui muito bem atendida a eficiência e a ética de cada profissional dali deveria servir de exemplo para cada profissional incompetente que atende na URGIL. Aquela URGIL é um absurdo atrás do outro. Existem até estudantes de medicina que atendem crianças a noite sem a supervisão de um médico. Se não fosse a eficiência do médico do Pronto Socorro eu nem sei como meu sobrinho estaria hoje.  Que fique aqui registrada toda minha indignação com a URGIL, com médicos incompetentes que ao invés de ter compromissos com a vida querem apenas ter um diploma de médico para ter status. Medicina não é status, medicina é um compromisso e  dedicação com a vida do outro.

Graças a Deus deu tudo certo tanto para a Gabi como para o meu sobrinho que neste momento está aqui ao meu lado dançando Justin Bieber.

Ser tia é apodrecer no paraíso em dose dupla!!

 

Fome é fisiologico. É uma necessidade real de todo ser vivo.

Vontade de comer é psicológico. Diferenciar a fome e a vontade de comer é minha meta durante os primeiros 6 meses que eu chamo de primeira etapa do tratamento. Eu tive que aprender a duras penas que obesidade é uma doença cronica e que deve ser tratada durante toda minha vida. O Balão não é mágico ele é um estimulo. (caro eu diria) Para perder peso eu precisava ser estimulada e a forma negativa de ser estimulada foi o problema no meu figado que me levou para o estimulo positivo em busca de uma forma para emagrecer.

Mesmo com o balão e perdendo peso essa semana me sinto desestimulada, 16 dias em casa, repouso, enjôos, dieta super restrita, restrita pelo meu próprio estômago que não aguenta nem 300ml de agua gelada.

Eu tenho desejo de comer sim. Sou humana. Mas é desejo não é fome. Gostaria de estar comendo pelo menos as coisinhas da dieta prescrita pelo medico mas não aguento.  Preciso de 8 a 10 pequenas refeições  diarias e consigo no maximo 5.  Pelo menos agora elas tem sido com qualidade, frutinha (mamão ou melão apenas 1 fatia), Sorvete de creme light, sopinha de legumes (me esforçando ao maximo) e as vezes agua de coco.  Pra quem acabou de colocar o balão é ótimo. Mas meu cérebro está acostumado a visualização de certos alimentos, meu cérebro acostumou a ligar casa cheia a mesa cheia também. Acho que sou gorda de alegria, porque sempre que vejo familia reunida eu tenho a necessidade de ter comidas gostosas pra familia comer unida. Aí como não estou comendo a familia não se lambuza e eu acho isso chato, porque ver comida não me incomoda nem me da vontade de comer. Sabe eu não comia por tristeza ou frustração, comia por alegria mesmo. Isso é coisa de Italiano eu sei mas nem de longe tenho DNA Italiano. (Meu DNA ta mais pra cearense la de itapipoca do que pra Italiano – mas em véspera de jogo da copa tenho que confessar que tem sangue Portugues correndo na minha veia. vai continuar me amando BRAAASEL?)

Especialmente hoje eu acordei com um  medo besta, pensando em quando meu estomago definitivamente se acostumar com o balão, já passei muito mal e hoje no 16º dia estou melhorando mas vai chegar um momento que o meu estomago vai se acostumar e aí terei medo de não resistir a vontade. Embora eu saiba que o balão intragastrico é um bolo alimentar artificial capaz de preencher mais da metade do vazio do meu estômago.
A minha maior meta é aprender a diferenciar a fome da vontade de comer, é comer apenas por fome e não por vontade. É tirar do meu cérebro a idéia  que condimentos, gorduras e fast – food saciam a fome… esses tipos de alimentos saciam apenas o desejo… (mantra do ano)

Eu aprendi que durante toda minha vida quando eu for comer algo eu precisarei me perguntar: Eu preciso deste alimento?

Sim eu poderei sair da linha de vez em quando porque sou humana mas terei que reconhecer quando poderei sair da linha e aprender a voltar em seguida. Durante os 6 meses de balão no estomago eu quero aprender muito pra usar tudo durante toda minha vida.  Não eu não serei uma pessoa torturante que conta calorias e só fala em dieta isso nem combina comigo, mas eu só quero que ninguém tenha medo de pedir um sanduíche enorme, de comer churrasco cheio de gordura perto de mim, de comer um master brigadeirão. Porque ser gordo é um problema de quem o é.

Ainda tenho 14 dias de dias chatos e sem graça… Em casa, lendo, escrevendo, aprendendo, vomitando, cagando e peidando 😆  Aos poucos minha vida vai voltando ao normal. É o tédio me consome e só me faz pensar numa porção de besteiras impensaveis  mesmo. Que fique registrado que 10 kilos a menos me fizeram parar de roncar, meu sutiã ficar folgado e as calcinhas começarem a cair. Isso me satisfaz mas do que  brigadeiro de colher.


 

Todas as mudanças assustam, mas ao mesmo tempo que eu quero que chegue logo o dia de colocar o balão eu ainda quero curtir mais 5 minutinhos sem ele.  Porque eu não vou simplesmente colocar o balão intragastrico e pronto. Eu vou colocar o balão e ser determinada a não falhar, a colaborar com o balão porque ele sozinho não me emagrece. O balão é um dos processos de emagrecimento que mais exige do paciente e eu quero estar pronta quando ele chegar assim como quem espera por um filho mas no meu caso é um filho do avesso, quando engravidei esperava um filho para fora de mim e hoje espero um filho para dentro mas com toda expectativa de quem espera um filho para fora.

O emagrecimento não será só físico, será emocional também. Vou aprender a comer, vou começar como um bebê, 30 dias de dieta liquida… Será um teste emocional e físico. Tenho orado muito, preparado meu corpo e minha alma, tenho buscado me compreender e estar de braços abertos para a nova fase da minha vida. Não posso impor limites e nem resistir… eu tenho que viver o meu emagrecimento intensamente por  mais que eu esteja determinada a não falhar eu tenho que aceitar que sou humana e humanos falham mas não posso mesmo é me entregar as fraquezas eu preciso ser forte POR MIM, porque SÓ eu posso ser forte por mim.

Tenho apoio da minha filha (ela tem apenas 5 anos e compreende a importância do balão intragastrico na minha vida e isso é tão lindo e impossível de descrever  com exatidão como minha pequena tem se comportado), do meu namorado, dos meus amigos e da minha família. Todos os dias recebo e-mails, comentários aqui no blog, tweets, telefonemas e mensagens no Orkut para saber se já coloquei o balão. Esse apoio tem sido e será fundamental durante todo o processo de emagrecimento.

Eu já deveria estar com o balão, mas a Allergan atrasou a entrega e chegou no período em que meu médico vai viajar e ele simplesmente não pode colocar o balão em mim e viajar, ele tem que estar próximo pra me acompanhar nos primeiros dias que são bem difíceis.  Da semana que vem não passa já no inicio da semana iremos marcar dia e hora e sabendo disso da uma vontade danada de dormir hoje e só acordar no dia de colocar o balão.

Ninguém me disse que será fácil, mas EU CREIO que não será impossível. Será um dia de cada vez .

Durante está semana estou tentando exorcizar todo pensamento gordo, me permito sentir vontade de comer tudo quanto é porcaria, mas entre sentir vontade e comer existe uma grande diferença e eu tenho sobrevivido muito bem. Logo porque Murphy me ama com todo fígado, rins e pâncreas dele que me deu de presente uma infecção intestinal e fiquei quase 3 dias vazando pelo pito, estilo rainha no trono…  Pra ser sincera Murphy me ama tanto que o dia dos namorados eu passarei balonada, não poderei comer e nem ser comida.  Aceito sugestões para este dia vegetativo. Muah.

Mas esses são os menores obstáculos e é um treinamento pra vencer os maiores. Porque se tem uma coisa que estou determinada a  fazer é VENCER.

 

Tia xxxx

Hoje Gabriella relatou um acontecimento que me deixou bastante chateada, não com os professores, não com a escola, mas sim com o tipo de educação que alguns pais dão aos filhos.

Gabriella me contou que estava fora da sala e um menino da turma dos grandes (é assim que ela se refere as crianças maiores) e ela estava na frente de um garoto ao invés do garoto pedir licença ele mandou ela sair do meio chamando ela de gorda e barriguda.

Pode ser engraçado para alguns, mas a minha educação não permite apelidos pejorativos. Gostaria que esse tema fosse pautado na reunião de pais e professores em todas as turmas.  O “Bullying é uma violência disfarçada de brincadeira”. Que alguns pais e educadores ainda desconhecem.

Gostaria de contar com a ajuda da escola xxxxx, para que seja feita uma campanha contra  o Bullying, para que o que aconteceu hoje não aconteça novamente nem com minha filha nem com os filhos de outras pessoas.

Atenciosamente,

Fernanda Ramalho

idealizando@gmail.com

————————————————–

Isto aconteceu hoje e este recado escrevi na agenda escolar da minha filha, amanhã a professora estará lendo.

Os nomes da professora e da escola foram preservados para segurança de todos.

A escola da minha filha é um exemplo em dedicação exclusiva ao aluno e sei que eles irão pautar esse tema na reunião sim. A escola que minha filha estuda é uma escola preocupada verdadeiramente com o que pais e alunos pensam e desejam.

Tenho certeza que se a professora  tivesse presenciado este episodio ela teria tomado uma atitude, uma providência na hora, mas como minha filha mesmo relatou foi tão rapido que nem mesmo deu tempo de chamar a professora e mostrar o garoto, mas infelizmente existem ações isoladas que se não forem freiadas elas se transformam em coisas sérias. Então devemos conscientizar pais e mestres, devemos educar nossos filhos para o mundo, para respeitar todas as pessoas pois todos nós somos diferentes um do outro e a plenitude de viver é conviver com todas as diferenças.

“Bullying é um termo inglês que pode ser traduzido como atormentar, perseguir, humilhar.”

“Bullying é o uso do poder ou da força para intimidar ou perseguir os outros na escola (school place bullying) ou no trabalho (work place bullying). As vítimas dessa intimidação repetida e recorrente são normalmente pessoas que sem defesas são incapazes de motivar outras para agir em seu apoio.”

A Gabriella não sofre agressões verbais diariamente, mas não admito que isto aconteça nenhum dia se quer  da vida dela. Não admito apelidos e ações pejorativas que atormentem, persigam ou humilhem. Os pais e os alunos devem ser punidos. Os alunos por praticarem os pais por permitirem, por acharem que isso se trata de: coisas de crianças.

Eu e minha filha somos muito amigas, ela se sente a vontade para conversar comigo sobre tudo, ela tem apenas cinco anos e ela me conta absolutamente tudo. Fico pensando naqueles filhos que não tem abertura dos pais para expressar seus sentimentos.

Minha filha disse que neste momento ela não ficou triste ela ficou com raiva porque a outra criança é muito mal educada e minha filha ainda disse: “Mamãe eu não gosto de gente mal educada, acho que aquele menino não tem mãe”

Pais perguntem aos seus filhos sobre a escola, sobre os coleguinhas, encontre uma maneira leve de saber toda a rotina na escola, de saber o relacionamento do seu filho com os coleguinhas, sobre as coisas que os incomodam na escola enfim na vida em geral. Minha filha me conta tudo… é tão bom poder ajudá-la a crescer, a superar, a entender… Não deixem que seus filhos sofram. Sejam amigos dos seus filhos.

Você não sabe o que é Bullying ?

O Blog beleza sem tamanho tem um post incrivel sobre o Bullying.

 

Sempre falo que minha vida tem um antes e o depois para ser mais clara existe o antes de ser mãe e depois de ser mãe.

Antes eu saia sem preocupação alguma, agora não saio porque não tenho com quem deixar minha pequena mas isso pra mim não é nenhum peso e sim uma consequência… nem boa nem ruim apenas uma consequência.

Minha filha nunca teve babá, eu abri mão da minha carreira.  Que fique bem claro que é temporário mas abri mão sim  de ter uma carreira frenética, um salário muito bom, viagens, trabalho 28 hrs por dia com hora extra  para ter um trabalhinho mais ou menos, ganhar mais ou menos mas poder ficar em casa cuidando do que deve ser cuidado, de poder correr pro médico com minha filha sempre que ela precisa e não apenas quando o chefe autorizar, de poder participar das atividades na escola porque por menores que sejam são tão importantes pra criança, é tão triste ir até um evento em que as crianças preparam e ver aquelas crianças que não tem ninguém para prestigia-las é de doer o coração mesmo. Abri mão porque  tenho alguém que depende de mim emocionalmente e financeiramente também, então não abri mão apenas para ficar em casa e sim para ficar em casa, ter um salário incerto mas ter minha filha fisicamente e emocionalmente bem. Porque nunca pude contar com ajuda de ninguém, terminei a faculdade e fiz pós – graduação aos troncos e barrancos mas consgeui e talvez seja por isso que dou tanto valor ao meu diploma que para alguns não significa nada, mas pra mim significa TUDO porque ele foi suado e chorado também porque durante as madrugadas enquanto eu tinha que amamentar, acalentar, trocar fralda, eu estudava e chorava porque achava que não ia dar conta. Quando vi eu tinha ido mais além do que me julgava capaz.

E há quem não entenda que não posso ir a tal evento, a tal reuniãozinha entre amigos, a tal barzinho porque não tenho com quem deixar minha filha.

Não entender pode até ser um direito de quem faz questão de não entender mas não aceito julgamentos. Sempre fiz e faço o que é melhor pra minha filha. Quem não ajudou é melhor que não me atrapalhe. Sou tão feliz com minhas opções, Dos 100% das coisas que idealizei ganhar dinheiro fazendo em casa consegui chegar em 80% e pra mim isso é mais que uma vitória.  Claro que as vezes sinto falta de saidinhas pra relaxar, de algumas horas num motelzinho, de ir a um show … Mas eu até posso fazer essas coisas só não posso todo dia a qualquer hora. Preciso programar, pedir ajuda dos universitários (no caso da minha mãe) e torcer para que ela esteja sem compromisso porque avós não são obrigados a assumir netos, eles podem ajudar se sentir vontade mas anular a vida por causa dos Netos eu não aceito. Quando minha mãe diz que “não” eu não me jogo da ponte, apenas espero que na proxima oportunidade dê certo e improviso como dá.

Mas com todos os obstáculos eu amo muito mais minha vida hoje, amo muito mais as decisões que tomei, as coisas que abri mão… Amo muito mais Ser mãe.

© 2012 Brindo à vida Suffusion theme by Sayontan Sinha