Hoje conheci uma mãe que não deixa seu filho de 3 anos nem pronunciar a palavra: Pai. Disfarcei para não demonstrar o tamanho da minha indignação, ela falava com tamanha naturalidade e eu só pensava que essa mãe teria motivos fortes e que deveriam ser respeitados, afinal nenhuma mãe proíbe o relacionamento pai x filho a toa. Ao longo da conversa não me contive e acabei perguntando porque o filho não podia conhecer o pai e muito menos pronunciar a palavra pai.

Ela respondeu:

“ – ah! não gosto do pai do meu filho, ele foi sacana comigo quando me largou.”

Me contive mais ainda pra não dizer que uma sacanagem não tem nada haver com a outra. Proibir sem motivo a relação entre pai e filho é desgastante. Toda criança quer saber de onde vem, com quem se parece, quer saber a sua historia. Ninguém consegue ser feliz incompleto.

Ser mãe me fez ser menos resistente as mudanças, ser mãe me mostrou que é necessário se colocar no lugar do outro, principalmente se o outro for minha filha.

Aprendi a mudar de acordo com as necessidades que minha filha apresenta, nunca escondi o pai, dela. Sempre o mantive nas historias, nas fotos, nas recordações dela. Por um bom tempo minha filha não demonstrou o menor interesse pelo pai, não tinha a menor vontade de estar com ele, de falar nele, eu respeitei, mas sempre deixei portas e janelas abertas para que ela tivesse liberdade de falar o que quisesse e quando quisesse. E no dia que ela sentiu vontade de falar, ela falou e eu o procurei. Ela tem o numero de telefone dele já ligou uma vez, mas o irmão dele atendeu e ela não teve retorno, mas dou a liberdade a ela que deve ser dada, afinal ele é o pai dela. A leveza que ela trata esse assunto é confortante pra mim e pra ela. Raramente o pai tem disponibilidade pra ela mas as poucas vezes que ele se encontram ela se diverte e isso já vale a pena porque fica marcado nela.. É necessário engolir muitos sentimentos ruins pelo bem estar emocional de nossos filhos, afinal o que eu penso a respeito do pai da minha filha é um problema meu e não da minha filha; a cada encontro eu garimpo os meus melhores sentimentos, eu colaboro, eu equilibro a razão e a emoção, tenho bom senso e infelizmente as vezes ele não tem mas não deixo que isso atrapalhe o momento da minha filha.

E já manifestei o desejo de que ele passasse um pouco mais de tempo com ela, mas não posso obrigá-lo.

Mas poder encostar a cabeça no travesseiro e saber que eu fiz o melhor, pra ela e por ela faz com que meu sono tenha muito mais qualidade. Ser mãe solteira não é fácil, mas não é por isso que devemos nos entregar a todas as dificuldades, nós devemos é superá-las.

 

No post pós-aniversario comentei que o pai da Gabriella foi ao aniversário dela e eu pensei que a partir daquele dia ele fosse realmente ser pai, que fosse deixar de ser pai fantasma aparecendo e logo em seguida sumindo, mas me enganei ele sumiu desde o dia do aniversario e só apareceu hoje quando eu não estava em casa. Minha irmã contou que Gabriella foi áspera disse que não gostava de ficar com ele que gostava somente de ficar com a mamãe, titia e com a vovó. E quem não a conhece pode até pensar que isso não saiu apenas dela, pode parecer absurdo, mas isso saiu dela sim, pois nunca influenciei no gostar e não gostar. Às vezes eu sinto que ela gosta dele sim, mas como ele já a enganou muito, ela fica com receio e com medo de gostar do pai. Não tiro a razão dela de jeito nenhum, não chamo a atenção dela por esse comportamento áspero com ele. Claro que incentivo ela a ser menos áspera com o pai, mas não por ser pai, mas sim que ela deve ser mais gentil com as pessoas em geral. Afinal já tentei aproxima-los e ele que colocou barreira, mentindo e sendo pai fantasma. Esse ano posso dizer que ele a visitou menos de 6 vezes, ano passado duas vezes e no ano que ela nasceu ele só a viu no nascimento, alguns dias depois então sumiu e só apareceu quando ela completou 1 ano.

Eu me coloco no lugar da minha filha e eu também reagiria da mesma forma, afinal ninguém é obrigado a amar um pai fantasma. Sou filha de pai ausente, meus pais se separaram quando eu tinha no maximo 8 anos e como meu pai deixou de ser pai com a separação, todo o amor, respeito e admiração que eu tinha por ele foram rompidos. Eu tive a sorte ou o azar até hoje não sei ao certo rs de conviver com meu pai já a Gabi nunca conviveu então até hoje ela nunca teve o sentimento de amor, admiração e respeito e ele perdeu a oportunidade de ser o maior herói da vida dela. Não se pode nunca pular de pára-quedas na vida de uma criança e esperar que ela seja o ser mais amável e dócil do universo. Gabriella é uma criança esperta ela percebe muitas coisas sem ao menos ser preciso tocar no assunto do mesmo jeito que essa esperteza dela me deixa orgulhosa também me deixa assustada.

Mudando de assunto, hoje somente hoje consegui fazer a arrumação na sala da minha casa e não é que a danadinha ficou um charme? Na minha sala tinham duas estantes, mas apenas uma é indispensável a outra só estava servindo pra papeis velhos, para colocar os brinquedos da Gabi e “carinhosamente” um porta- acaro mas onde colocar uma estante enorme? Eis que Dona Fernanda deu um jeito, esvaziei, limpei e coloquei a estante na área de casa com o seguinte aviso pendurado nela: “ESTAMOS DOANDO ESTA ESTANTE. FAVOR QUEM SE INTERESSAR TOCAR A CAMPAINHA!!!”

Em menos de duas horas, passou um rapaz, sem acreditar muito e jurando ser pegadinha até que eu o convenci que de fato era uma doação, que eu não queria mais aquela estante e que vender seria difícil num mercado onde eles parcelam moveis novinhos em até 36x e tchaaaram o rapaz vem buscar amanhã.

No sábado uma prima minha que mora no interior vem buscar mais um armário, um jogo de sala de jantar, talvez uma cama de solteiro (em madeira) e uma cômoda. Cansei de alimentar ácaros hahaha estou doando o excesso, quero que minha casa tenha mais espaço, com moveis mais clean’s e menos ácaros pelo amor de Deus porque eu e Gabriella não estamos agüentando de tanta alergia.

Amanhã é aniversario da minha mãe mês de novembro aqui é “bombante”, o bolso sofre horrores porque quando acho que me recuperei de um tombo financeiro lá vem outro.

Mãe feliz aniversario e ti desejar tudo de bom é pouco pro que você merece!!!! Amo-te infinitamente baixinha.

Pasmem minha mãe é baixinha!! E eu uma gigante insossa com pé tamanho 40 (podendo variar pra 42 hahá)

E eu me entreguei mesmo a vida de doméstica, mas prometo que entre uma vassourada e outra visito os blogs e até apareço de leve no msn.

Lereeeeee lereeeeeee lereeeee

Trabalha loira.

Ahhhh

Meninas do Cadê o Papai , deixem comentario com o link do blog de vocês assim posso linkar vocês aqui.

Ahh! se alguém quiser me adicionar no msn: idealizando@hotmail.com

É que hoje to facim facim hahá.

Se não for pedir muito gostaria todas as pessoas que leêm o blog, me enviassem um email com os dados: nome/email/Cidade/idade/end. de blog se tiver/se tem filhos/ como achou o blog.

Eu agradeço demais quem puder perder 2 minutos pra enviar um email e ganhar uma amiga que tem estudado marketing, comunicação social, comunicação e a internet.

 

Existe um tipo de homem que só namora uma mãe solteira por dois motivos: por achar que vai ter sexo fácil e por achar que o sexo será fácil, eu fico indignada com esse tipo de comportamento, depois que me tornei mãe, só tive um namorado e esse namorado fazia parte da lista de ex-namorados, ao todo nosso relacionamento durou 8 anos, mas nosso ultimo namoro durou 1 ano e ele fez parte dos momentos mais importantes da nossa vida e principalmente da vida da pequena, ele viu ela dando os primeiros passos, a primeira alimentação, ele colocava ela pra dormir, brincava horas com ela enquanto eu fazia os trabalhos da faculdade e o mais importante sempre aceitou muito bem os limites e as restrições de ser o namorado da mamãe. Minha filha nunca teve convivência com o pai biológico e isso o tio-namorado-legal-da-mamãe tirava de letra, pois sempre ensinei a ela que aquele era o tio-namorado-legal-da-mamãe e não papai, porque namoros são inconstantes já a relação maternidade, paternidade é para SEMPRE por mais que em algumas situações seja rejeitada a relação paterna.

Relacionar-se com uma mãe solteira é reconhecer os limites, é entender que hoje não dá, hoje não posso, amanhã talvez, você é importante, mas não é o mais importante na minha vida. MINHA filha sempre será PRIORIDADE em qualquer tipo de relacionamento e existem homens que não entendem isso e se não entendem é porque não me querem por amor e eu sinceramente prefiro morrer solteira do que bater cabeça com alguém imaturo que quer ser o centro da atenções o tempo inteiro.

Ser mãe já se cria inúmeras restrições imagine uma mãe solteira que não tem com quem deixar o filhote, que não tem auxilio de ninguém e que sempre vive exausta, esgotada.

A mãe solteira quer alguém que a respeite e que acima de tudo respeite o filho, respeite os momentos mãe e filho e que de maneira alguma tente barrar suas restrições, quer alguém que não fique com raiva porque no horário combinado pra saírem os dois juntos ela ligue desmarcando porque seu bebe começou a vomitar e terá que ir correndo pra um hospital, que entenda as vezes que no meio da rua ou que num almoço na casa da família DELE seu filho comece a chorar, se jogar no chão porque você disse não, que vá junto com você e o filhote ao cinema assistir desenho, ao parque ambiental ver os bichinhos e se divertir absurdamente fazendo coisas de criança, que não se aborreça quando vocês quiserem ficar juntinhos abraçados e o filhote insistir em separá-los por causa do ciúme absurdo que o bb tem da mamãe. Namorar uma mãe solteira é ter respeito, cumplicidade, capacidade de amar, respeitar, criar laços sinceros de amor e amizade.

© 2012 Brindo à vida Suffusion theme by Sayontan Sinha